Páginas

sábado, 19 de julho de 2014

Vitória de Flávio Dino no Maranhão pode alterar tabuleiro político nacional

Em 2015, justamente trinta anos após assumir, de forma inesperada, a presidência da República, José Sarney deixará de ser, pelo menos no plano formal, um dos cardeais da política brasileira. E a eventual – cada vez mais provável – vitória de Flávio Dino (PCdoB) ao governo do Maranhão poderá alterar ainda mais o tabuleiro político nacional.
O outono do patriarca – com o devido perdão ao verdadeiro imortal Garcia Márquez – da oligarquia maranhense não chega meramente pelo desejo de aposentadoria. A renúncia à disputa por mais um mandato no Congresso Nacional é consequência do enfraquecimento paulatino experimentado há anos, tanto na terra das palmeiras onde nem sempre cantam os sabiás e no Amapá quanto no Planalto Central.
Vacinado pelas dificuldades enfrentadas em 2006, quando venceu por pequena margem (53% a 43%), “El Bigodón” sabe que não venceria o pleito ao Senado este ano no Amapá. Tal qual o pai em 1990, que mudou o domicílio eleitoral para o antigo território, temendo a iminente derrota para Cafeteira, Roseana Sarney sabe que dificilmente seria reconduzida à Câmara Alta pelos maranhenses em outubro. Por isso, evitou o vexame da derrota e também anunciou sua saída da política institucional.
A escolha do suplente de senador Edison Lobão Filho (PMDB) para a disputa do governo contra Flávio Dino é apenas mais um entre tantos sinais do desespero que tomou conta da oligarquia.
Medíocre parlamentar, Lobinho até recentemente era apenas conhecido como um playboy destemperado na noite de São Luís. Daí que para muitos foi uma cena chocante vê-lo alçado à condição de senador, mesmo considerando os padrões não muito elevados do Senado.
Com o esmaecimento da influência de Sarney sobre o PMDB nacional, que não ocorrerá imediatamente, mas é inevitável, deverá haver forte movimentação interna, sendo eufemista, em torno do espólio do ex-presidente.
Nos últimos meses, o PT nacional – a contragosto do “PT de bigode”, a ala sarneísta da legenda no Maranhão – deu vários passos para sinalizar a intenção de descolamento da família. O último foi negar ao diretório estadual a permissão de indicar o vice da chapa de Lobão Filho.
Obviamente, a dilapidação do capital político de Sarney não dependerá exclusivamente ao resultado no seu estado de origem, mas este será um fator de grande peso.
flavio-dino-camara
Em caso de vitória, Flávio Dino será o primeiro governador da história quase centenária do PCdoB. Não há dúvidas de que o partido dedicará uma enorme parcela da sua energia e da sua estrutura à eleição que poderá sepultar uma das unanimidades – em termos de rejeição e ojeriza – nacionais. Daí que a visibilidade da eleição maranhense será bem maior e poderá ter consequências bem mais impactantes do que teria em condições normais.
Flávio Dino – junto com seu arco de alianças, que reúne um amplo e heterogêneo espectro ideológico – certamente se tornará um ator político de estatura nacional: “o homem que enterrou a oligarquia Sarney” mesmo em um partido pequeno, enfrentando uma colossal máquina política e midiática no estado e com apenas oito anos de carreira política, na qual brilhou como deputado federal e ministro, é bom lembrar. Este será o seu cartão de visitas.
O que será da política brasileira sem Sarney? Para responder isso, é bom prestar atenção aos resultados de outubro no Maranhão.
Análise de Rogério Tomaz Jr.
do Blog Brasília Maranhão

sábado, 12 de julho de 2014

Iluminação Publica de Araioses: Caos, desperdício e desrespeito ao meio ambiente


Com os problemas relacionados ao fornecimento de energia elétrica se acirrando a cada dia, exigindo novas políticas que priorizem o uso consciente, se pensando até em racionamento. Em Araioses, que não gera um volt si quer da energia que consome; o que se ver é o esbanjamento do bem e o total desrespeito ao meio ambiente, que sofre com a exploração dos recursos hídricos para a geração de energia e com a devastação de ecossistemas inteiros toda vez que o homem precisa aumentar sua capacidade geradora.

Não é a primeira vez que nossa redação chama atenção para este problema que tem passado dia a dia despercebido: lâmpadas nos postes públicos ligadas durante todo o dia.E o que é pior,são lâmpadas de alto consumo que sobrecarregam a rede.

Esta iluminação publica muitas vezes faz falta em ruas mais periféricas e mesmo nas ruas principais, a qualquer oscilação toda a rede se apaga e a lâmpadas que passam 24 horas ligadas muitas vezes não resistem e queimam, deixando à própria sorte os moradores.

Procuramos o responsável pelo serviço no município, senhor Almir, que nos respondeu dizendo que já tinha conhecimento dos problemas e que estes serão resolvidos o quanto antes. Esclareceu-nos que atualmente o sistema possui apenas uma chave que liga e desliga toda a rede, e em breve será instalado em cada poste reles fotoelétricos, o que permitirá as luzes acenderem e apagarem ao anoitecer e amanhecer respectivamente e de forma autônoma. Autonomia também que se verificará no reacender das luzes, nos casos de oscilação da rede ou falta de energia.

Senhor Almir afirmou ainda que problemas como o relatado, no caso os refletores do cais de João Peres, são problemas pontuais e que serão corrigidos imediatamente. O responsável aproveitou para anunciar que a iluminação do trecho Araioses João Peres será completada o quanto antes.

A população aguarda aflita, o trecho tem sido usado por vândalos e usuários de drogas que arremessam pedras na pista colocando a segurança dos transeuntes em perigo.

Marcio Maranhão

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Romário desabafa e diz que Marin e Del Nero deveriam estar presos

Do UOL, em São Paulo
Após a goleada histórica sofrida pelo Brasil diante da Alemanha nas semifinais da Copa do Mundo, o ex-jogador e deputado federal Romário desabafou. Através das redes sociais, afirmou que José Maria Marin, presidente da CBF, e seu vice e sucessor eleito, Marco Polo Del Nero, deveriam estar na cadeia. O parlamentar fez duras críticas à corrupção e à gestão no futebol brasileiro, e falou em "falência" do esporte no país.

"Passado o luto das primeiras horas seguidas da derrota, vamos ao que verdadeiramente interessa! Quem tem boa memória, vai lembrar da minha frase: Fora de campo, já perdemos a Copa de goleada!
Infelizmente, dentro de campo, não foi diferente.
Ontem foi um dia muito triste para nosso futebol. Venceu o melhor e ninguém há de questionar a superioridade do futebol alemão já há alguns anos. Ainda assim, o mundo assistiu com perplexidade esta derrota, porque nem a Alemanha, no seu melhor otimismo, deve ter imaginado essa vitória histórica.
Porém, se puxarmos da memória, vamos lembrar que nossa seleção já não vinha apresentando nosso melhor futebol há muito tempo. Jogamos muito mal. Infelizmente, levamos sete e, por mais que isso cause mal-estar, devemos admitir que a chuva de gols foi apenas reflexo do pânico, da incapacidade de reação dos nossos jogadores e da falta de atitude do treinador de mudar o time.
Vivemos uma crise no nosso esporte mais amado, chegamos ao auge dela. Acha que isso é problema só dos jogadores ou do Felipão? Nem de longe.
Nosso futebol vem se deteriorando há anos, sendo sugado por cartolas que não têm talento para fazer sequer uma embaixadinha. Ficam dos seus camarotes de luxo nos estádios brindando os milhões que entram em suas contas. Um bando de ladrões, corruptos e quadrilheiros!
O meu sentimento é de revolta.
Estou há quatro anos pregando no deserto sobre os problemas da Confederação Brasileira de Futebol, uma instituição corrupta gerindo um patrimônio de altíssimo valor de mercado, usando nosso hino, nossa bandeira, nossas cores e, o mais importante, nosso material humano, nossos jogadores. Porque não se iludam, futebol é negócio, business, entretenimento e move rios de dinheiro. Nunca tive o apoio da presidenta do País, Dilma Rousseff, ou do ministro do Esporte, Aldo Rebelo. Que todos saibam: já pedi várias vezes uma intervenção política do Governo Federal no nosso futebol.
Em 2012, eu apresentei um pedido de CPI da CBF, baseado em um série de escândalos envolvendo a entidade, como o enriquecimento ilícito de dirigentes, corrupção, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e desvio de verba do patrocínio da empresa área TAM. O pedido está parado em alguma gaveta em Brasília há dois anos. Em questionamento ao presidente da Câmara dos Deputados, sr. Henrique Eduardo Alves, mas ouvi como resposta que este não era o melhor momento para se instalar esta CPI. Não concordei, mas respeitei a decisão. E agora, presidente, está na hora?
Exceto por um vexame como o de ontem, o Brasil não precisaria se envergonhar de uma derrota em campo, afinal, derrotas fazem parte do esporte. Mas vergonha mesmo devemos sentir de ter uma das gestões de futebol mais corruptas do mundo. A arrogância dessa entidade é tão grande que até o chefe da assessoria de imprensa chega ao absurdo de bater em um atleta de outra seleção, como fez o Rodrigo Paiva contra um jogador do Chile Pinilla. Paiva pegou quatro jogos de suspensão e foi proibido de acessar o vestiário dos jogadores. Este ato foi muito simbólico e diz muito sobre eles. O presidente da entidade, José Maria Marin, é ladrão de medalha, de energia, de terreno público e apoiador da ditadura. Marco Polo Del Nero, seu atual vice, recentemente foi detido, investigado e indiciado pela Polícia Federal por possíveis crimes contra o sistema financeiro, corrupção e formação de quadrilha. São esses que comandam o nosso futebol. Querem vergonha maior que essa?
Marin e Del Nero tinham que estar era na cadeia! Bando de vagabundos!!!
A corrupção da CBF tem raízes em todos os clubes brasileiros, vale lembrar que são as federações e clubes que elegem há anos o mesmo grupo de cartolas, com os mesmos métodos de gestão arcaicos e corruptos implementados por João Havelange e Ricardo Teixeira e mantidos por Marin e Del Nero. Vale lembrar, que estes dois últimos mudaram o estatuto da entidade e anteciparam a eleição da CBF para antes da Copa. Já prevendo uma possível derrota e a dificuldade que eles teriam de se manter no poder com um quadro desfavorável.
E os clubes? Sim, eles também são responsáveis por essa crise. Gestões fraudulentas, falta de investimento na base, na formação de atletas. Grandes clubes brasileiros estão falindo afogados em dívidas bilionárias com bancos e não pagamentos de impostos como INSS, FGTS e Receita Federal.
E toda essa má gestão que tem destruído o nosso futebol, infelizmente, tem sido respaldada há anos pelo Congresso Nacional com anistias e mais anistia destes débitos. Este ano tivemos mais um projeto desses vexatórios para salvar os clubes. Um projeto que previa que clubes pagassem apenas 10% de suas dívidas e investissem 90% restante em formação de atletas. Parece até deboche. Uma soma de aproximadamente R$ 4 bilhões ou muito mais, não se sabe ao certo. Corajosamente, o deputado Otávio Leite, reconstruiu o texto e apresentou uma proposta honesta estruturada em responsabilidade fiscal, parcelamento de dívidas e a criação de um fundo de iniciação esportiva, com obrigações claras para clubes e CBF.
Em resumo, a nova proposta além de constituir a Seleção Brasileira de Futebol e o Futebol Brasileiro como Patrimônio Cultural Imaterial – obrigava a CBF a contribuir com alíquota de 5% sobre as receitas de comercialização de produtos e serviços proveniente da atividade de Representação do Futebol Brasileiro nos âmbitos nacional e internacional. O tributo também incidiria sobre patrocínio, venda de direitos de transmissão de imagens dos jogos da seleção brasileira, vendas de apresentação em amistosos ou torneios para terceiros, bilheterias das partidas amistosas e royalties sobre produtos licenciados. O valor seria destinado a um fundo de iniciação esportiva para crianças e jovens de todo o Brasil. Esses e outros artigos dariam responsabilidade à CBF, punição à entidades e outros gestores do futebol, a CBF estaria sujeita a fiscalização do TCU e obrigada a ter participação de um conselho de atletas nas decisões.
Mas este texto infelizmente não foi para a frente. Sete deputados alemães fizeram os gols que desclassificaram nosso futebol e nos tirou a chance de moralizar nosso esporte. Estes deputados, como todos sabem, fazem parte da Bancada da CBF, mudei o nome porque Bancada da Bola é muito pejorativo para algo que amamos tanto. Gosto de dar os nomes: Rodrigo Maia (DEM -RJ), Guilherme Campos (PSD-SP), Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), José Rocha (PR-BA) , Vicente Cândido (PT-SP), Jovair Arantes (PTB-GO) e Valdivino de Oliveira (PSDB-GO).
Essa partida ainda pode ser revertida com a votação do projeto no Plenário da Câmara. Será que esses sete deputados voltarão a prejudicar o nosso futebol?
O futebol brasileiro tomou uma goleada e a derrota retumbante, infelizmente, não foi só em campo. Nem sequer tivemos o prazer de jogar no Maracanã, um templo do futebol mundial, reformado ao custo de mais de R$ 1 bilhão. Acha que foi porque não chegamos a final? Não. Poderíamos ter jogado qualquer outro jogo lá. A resposta disso é ganância e arrogância. É a CBF que escolhe onde o Brasil vai jogar, mas, obviamente, poderia ter tido interferência do Ministério do Esporte e da presidência da República, mas nenhum destes se manifestou. Quem levou com essas escolhas?
Para fechar com chave de ouro, a CBF expulsou do vestiário Cafú, capitão de seleção do pentacampeaonato. Cafú foi expulso do vestiário enquanto cumprimentava os jogadores ontem. Este é o retrato do nosso futebol hoje, não honramos a nossa história.
Dilma tem sim que entregar a taça para outra seleção. Este gesto será o retrato do valor que ela deu ao nosso futebol nos últimos anos! Eles levarão a taça e nós ficaremos com nossos estádios superfaturados e nenhum legado material, porque imaterial, mostramos para o mundo que com toda nossa dificuldade, somos um povo feliz"

sábado, 5 de julho de 2014

Para revista Isto É, Edinho perde eleição no primeiro turno

Aparentemente um caso isolado, a aposentadoria de José Sarney, depois de as pesquisas indicarem altos índices de rejeição ao seu nome e ao da filha Roseana, governadora do Maranhão, mostra que a política pode estar vivendo um momento um tanto quanto inusitado, ou pelo menos caminha para isso. Pesquisas para as disputas estaduais realizadas até agora revelam que herdeiros de políticos conhecidos, donos de sobrenomes famosos, não vivem uma situação tão confortável como em eleições passadas. Embora ainda detenham um vasto patrimônio, incluindo empresas na área de comunicação, e contem com o poder e a influência dos parentes nos diretórios regionais dos partidos, eles precisarão suar a camisa se quiserem triunfar no pleito deste ano.

Os exemplos se espalham pelo País. No Maranhão reside o caso mais nítido do enfraquecimento das dinastias. A candidatura do filho do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, representava a esperança de que o poder se mantivesse ao menos próximo do grupo político de Sarney, que submergiu depois de longos 50 anos no comando do Estado. Mas o senador Edison Lobão Filho corre sério risco de ser derrotado pelo adversário Flávio Dino (PCdoB) ainda no primeiro turno.

Em Roraima, a influência do senador Romero Jucá (PMDB) não tem sido suficiente para fazer deslanchar a chapa da situação, composta pelo seu filho Rodrigo, que é candidato a vice-governador. Diferentes pesquisas feitas até aqui mostram que a impopularidade do atual governador do Estado, Chico Rodrigues (PSB), companheiro de chapa de Jucazinho, deixa o grupo com percentuais que não chegam a 25% das intenções de voto. A principal adversária é Ângela Portela, do PT, que ostenta o dobro. No Estado, Jucá, o pai, mantinha poder inabalável havia décadas e sempre colocou sua influência a serviço da projeção política do filho. Até agora, no entanto, esse empenho não surtiu efeito.

Ciente do ocaso dos coronéis País afora, o filho do senador Jader Barbalho, Helder Barbalho, tentou ser mais esperto para não perder votos. Candidato ao governo do Pará, ele preferiu não usar o sobrenome Barbalho na campanha, apesar de sobreviver politicamente graças à influência da família no Estado. Mas é quase impossível desvincular o nome dos dois. A maior parte do eleitorado paraense conhece a trajetória familiar de Helder. E o pai está mais próximo do que nunca da campanha do herdeiro. Para viabilizar o filho, Jader Barbalho usou seu prestígio para levar o ex-presidente Lula à convenção do partido, na última segunda-feira 30. Por ora, nas recentes pesquisas, Helder aparece tecnicamente empatado com o atual governador Simão Jatene (PSDB), candidato à reeleição. Ou seja, a disputa está acirrada e, se quiser vencer nas urnas, Helder, com ou sem o “Barbalho”, terá de mostrar mais do que padrinhos de peso.

Renan Filho, herdeiro do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), talvez seja a experiência mais bem-sucedida, pelo menos até agora, da tentativa de uma família de manter a influência regional. Mas dificuldades para isso nem de longe poderiam ser vislumbradas anos atrás. Com o diretório estadual do partido nas mãos e uma lista de favores concedidos aos governos Lula e Dilma Rousseff, o senador conseguiu colocar Renan Filho na dianteira das pesquisas. A margem, porém, é apertada. Como poucas vezes aconteceu na sua carreira política, Renan Calheiros vem tendo trabalho para costurar as alianças em torno do filho. Para o lamento do cacique alagoano, que nunca precisou fazer campanha no Estado para vencer eleição, a força do sobrenome já não é mais a mesma.

POR IZABELLE TORRES – ISTOÉ
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...