Páginas

sábado, 17 de novembro de 2018

Por atraso no pagamento dos servidores, Ministério Público pede afastamento de prefeito

Imagem relacionada
Apesar de servidores da educação amargarem constantes atrasos e professores terem sido obrigados a todo tipo de humilhação para receberem suas férias, o que ainda não aconteceu, diga-se de passagem. E, sem falar dos inúmeros contratados com dois, três e até seis meses aguardando um único salário, o caso em destaque não se refere à situação do prefeito de Araioses, Cristino Gonçalves, e sim, Gilsimar Pereira, gestor do município de São Pedro da Água Branca, que não paga o salário do funcionalismo municipal há três meses. 

O Ministério Público do Maranhão requereu, no último dia 7, em Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa, o afastamento liminar do prefeito de São Pedro da Água Branca, Gilsimar Ferreira Pereira, o Pelezinho (PSB), e do secretário municipal de Finanças, Samuel Souza, respectivamente, de seus cargos. 

Formulada pela promotora de Justiça Glauce Mara Lima Malheiros, a ação foi motivada pelo atraso de três meses no pagamento de salários do funcionalismo municipal. “A falta de pagamento e o atraso reiterado prejudica toda a economia de São Pedro da Água Branca porque o comércio gira em torno do funcionalismo público e dos benefícios sociais”, enfatiza Glauce Malheiros. 

Segundo divulgou a assessoria do MP/MA, o valor atual do débito é R$ 801,4 mil. 

Em investigação, o órgão verificou que os repasses federais e estaduais têm sido feitos regularmente, sem alterações, o que não compromete as finanças da gestão de Gilsimar Pereira. A prefeitura, porém, justifica que o atraso vem ocorrendo em razão de alegada diminuição na arrecadação do Imposto Sobre Serviços (ISS). 

A questão é recorrente no município. Em 2012, o problema resultou no afastamento do prefeito à época, Vanderlúcio Ribeiro (MDB), que se reelegeu e ainda emplacou o atual prefeito no cargo. 

Pedidos 
MP pede o afastamento do prefeito de São Pedro da Água Branca
Prefeito Gilsimar Pereira
Nas manifestações, o MP/MA requer a condenação dos réus por improbidade administrativa, o que implica na perda de direitos políticos pelo prazo de cinco a oito anos e pagamento de multa civil até o dobro do dano. 

As penalidades incluem, ainda, a proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de cinco anos.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...