Páginas

sexta-feira, maio 11, 2018

Mais um mito cai por terra

Com a revelação de que Geisel autorizou pessoalmente o assassinato de opositores da ditadura, cai por terra o mito Elio Gaspari. 

Incensado por boa parte da imprensa como "gênio", Gaspari construiu em seus quatro livros sobre Ernesto Geisel a ficção de que o general-presidente seria um déspota esclarecido que teria combatido a "linha dura" conduzido o país com firmeza e clarividência de volta à democracia. Era cascata. Para ficar no jargão, em vez de um furo, Gaspari produziu uma das maiores barrigas do jornalismo brasileiro.

Depois de mais de 15 anos de pesquisas e os quatro livros, Gaspari deixou passar o mais importante e enrolou seus leitores com uma peça... de ficção -como, de meu ponto de vista, faz com regularidade em sua coluna, desde sempre.

O texto da CIA que agora vem à luz é de fazer vomitar. E ainda há quem queira esse tempo de volta.

Memorando do Diretor da CIA Colby ao Secretário de Estado Kissinger
Washington , 11 de abril de 1974 .
Objeto:
Decisão do Presidente do Brasil, Ernesto Geisel, de continuar a execução sumária de subversivos perigosos sob certas condições
1. [ 1 parágrafo (7 linhas) não desclassificado ]
2. Em 30 de março de 1974, o presidente brasileiro Ernesto Geisel reuniu-se com o general Milton Tavares de Souza ( General Milton) e com o general Confúcio Danton de Paula Avelino, respectivamente os chefes de saída e chegada do Centro de Inteligência do Exército (CIE). Também esteve presente o general João Baptista Figueiredo , chefe do Serviço Nacional de Inteligência (SNI).
3. O General Milton, que fez a maior parte da conversa, delineou o trabalho da CIE contra o alvo subversivo interno durante a administração do ex-presidente Emilio Garrastazu Médici . Ele enfatizou que o Brasil não pode ignorar a ameaça subversiva e terrorista, e disse que métodos extra-legais devem continuar a ser empregados contra subversivos perigosos. A este respeito, o General Milton disse que cerca de 104 pessoas nesta categoria foram sumariamente executadas pela CIE durante o ano passado, aproximadamente. Figueiredo apoiou essa política e insistiu em sua continuidade.
4. O presidente, que comentou sobre a gravidade e os aspectos potencialmente prejudiciais desta política, disse que queria refletir sobre o assunto durante o fim de semana antes de chegar a qualquer decisão sobre [Página 279]se ele deve continuar. Em 1º de abril, o presidente Geisel disse ao general Figueiredo que a política deveria continuar, mas que muito cuidado deveria ser tomado para assegurar que apenas subversivos perigosos fossem executados. O Presidente e o General FigueiredoConcordou que, quando a CIE prender uma pessoa que possa se enquadrar nessa categoria, o chefe da CIE consultará o General Figueiredo , cuja aprovação deve ser dada antes que a pessoa seja executada. O Presidente e o General Figueiredo também concordaram que a CIE deve dedicar quase todo o seu esforço à subversão interna, e que o esforço geral da CIE será coordenado pelo General Figueiredo .
5. [ 1 parágrafo (12½ linhas) não desclassificado ]
6. Uma cópia deste memorando será disponibilizada ao Secretário de Estado Adjunto para Assuntos Interamericanos. [ 1½ linhas não desclassificadas ] Nenhuma distribuição adicional está sendo feita.

PS: Quem trabalhou com Gaspari na Veja e não era seu puxa-saco nem está comprometido com um cantinho na imprensa golpista pode dar um depoimento sobre quem é o ex-mito, suas relações com uma das "crias" do general Golbery do Couto e Silva, o coronel Heitor Aquino Ferreira, que circulava com desenvoltura pela redação da revista -e a maneira como ele tratava os jornalistas.

Brasil 247
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...