Páginas

terça-feira, 2 de abril de 2013

Edinho Lobão é envolvido em esquema de sonegação fiscal


Polícia do Rio teve de interromper investigação sobre quadrilha de sonegadores, que seria ajudada pelo senador Lobão Filho e o deputado federal Eduardo Cunha. Motivo: o bando teria sido alertado sobre 'grampos' telefônicos pelo procurador-geral do MP do Rio, Cláudio Lopes
A revista Veja desta semana revela que está para chegar às mãos do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, um documento de 35 páginas que traz à luz uma história estarrecedora.
Trata-se de um relatório secreto da Polícia Civil do Rio de Janeiro escrito dias depois da súbita interrupção das investigações que apuravam o tráfico de influência do deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e do filho do ministro de Minas e Energia, senador Edison Lobão Filho (PMDB-MA), o Edinho, em prol de um esquema milionário de sonegação fiscal.
Ele era operado, segundo a polícia, pelo empresário Ricardo Magro, dono da refinaria de Manguinhos, na Zona Norte carioca. O relatório, ao qual a Veja teve acesso, mostra que, por oito meses, a polícia seguiu, filmou e grampeou essas e outras dez pessoas na órbita de Magro.
Os investigadores flagraram conversas comprometedoras e até encontros em viagens e shows, que não deixam dúvida sobre o estreito elo entre os dois políticos e o empresário. O material subsidiou um inquérito contra o grupo que está agora sob análise do Supremo Tribunal Federal. Tal investigação seguiu de vento em popa até 2009, quando de repente paralisou.
Não havia mais como avançar. De uma hora para outra, os suspeitos não se falaram mais ao telefone. A polícia já sabe o motivo: o grupo foi alertado sobre o grampo pelo então procurador-geral do Ministério Público (MP) do Rio, Cláudio Lopes.
Em 2008, o Ministério Público do Maranhão investigou o senador Lobão Filho por suposta sonegação fiscal de R$ 42 milhões da distribuidora de bebidas Itumar, da qual Edinho foi sócio.
O senador teria colocado o nome de uma empregada doméstica – Maria Lúcia Martins – como sócia da empresa para se livrar da dívida com o Fisco.
Outro lado – O jornal Folha de S. Paulo ouviu o deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que negou que tenha sido informado sobre inquérito policial no qual é citado. Ele afirmou que o relatório da Polícia Civil não consta dos documentos enviados ao STF (Supremo Tribunal Federal), responsável atualmente pela investigação.
'Esse relatório não existe. Se ele foi feito, é clandestino. A polícia do Rio não tem atribuição para me investigar', disse o deputado à Folha.
O líder do PMDB afirmou que manteve contatos institucionais com o ex-procurador-geral de Justiça Cláudio Lopes, suposto responsável pelo vazamento. Entre os temas está, disse Cunha, a PEC 37, que retira o poder de investigar do Ministério Público.
'Tinha farta relação institucional com ele. Ele foi no meu gabinete umas três ou quatro vezes. Não tenho nada para esconder'. Cláudio Lopes negou que tenha repassado qualquer informação a Cunha sobre a investigação. Disse que o documento é forjado e que não tem relação pessoal com Cunha.
O empresário Ricardo Magro negou que tenha deixado de usar o telefone celular após o suposto vazamento de informação. Ele afirmou que só tomou conhecimento do inquérito em 2010, quando procurado pelo jornal O Globo, que à época revelou dados da investigação.
O Jornal Pequeno tentou ouvir ontem, por telefone, o senador Lobão Filho, mas até o fechamento desta matéria ele não havia retornado as ligações nem a mensagem deixada em seu celular.


(Veja Online, Folha de S. Paulo e Redação do JP)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...